Horário: De terça a domingo. Das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 18h00

Rua Abílio Beça, 27

5300 – 011 Bragança

Ourivesaria

Ourivesaria

A coleção de ourivesaria do Museu do Abade de Baçal pode ser repartida em três grandes conjuntos: a ourivesaria sacra; a ourivesaria civil; e a numismática.

O primeiro conjunto corresponde a prataria oriunda do antigo Paço Episcopal (Miranda do Douro e Bragança) e de conventos extintos da região. Apesar da riqueza dos exemplares apresentados, a coleção não é de dimensão muito alargada, o que em boa medida se deverá, em primeiro lugar, a uma carência de recursos na região que impediu o florescimento de centros de produção e trabalho em metais preciosos. Assim, a região encontrava-se dependente da encomenda de objetos de centros de produção mais distantes, portugueses e estrangeiros, como sejam o Porto, Lisboa, Évora, ou Augsburgo. É, ainda, notável o conjunto de salvas, bandejas, lavandas, gomis, bacias ou galhetas armoriadas, em prata seiscentista ou setecentista, que chegaram aos nossos dias. Destacam-se, também, alguns objetos de especial interesse, até pela sua maior raridade, como sejam, um hastil, um báculo em prata dourada, uma escrivaninha, uma pia de água benta em prata branca, ou um notável porta-paz, com moldura em bronze envolvendo uma lâmina de prata com a figuração da ressurreição de Cristo.

Já no que respeita à ourivesaria civil, ela é proveniente do legado da família Sá Vargas e estende-se pelos séculos XVIII e XIX, fornecendo pistas muito significativas para o estudo do gosto e hábitos relacionados com o mundo doméstico de uma florescente burguesia, apresentando conjuntos de grande significado, como sejam uma bacia de barba e respetivo gomil, armoriados (primeira metade do século XVIII) ou os notáveis serviços de chá e café do século XIX.